The social and political failure as a consequence of human depravity in Veronica Roth’s Divergent Trilogy

divergente(Attention! Contains Spoilers!)

Lately I have given opportunities to certain authors who, at other times, I would have rejected. I recently discovered a writer named Veronica Roth, author of the Divergent Trilogy. I read the first (of the same name) and the second (Insurgent). This week I’m going to buy the last one (Convergent), but the curiosity has already led me to the spoilers, so I can comment here also about the outcome of this story. I decided to write about it because I could perceive a very biblical worldview, though the novel itself is not considered properly Christian or theological. He considers as presupposed the doctrine of total depravity of man and the failure of the human being in trying to repair the problem of humanity on the basis of his own knowledge.

I was really impressed by the author’s originality. It is a dystopian novel, set in the not-too-distant future in the city of Chicago. Society was divided into five factions: Self-denial, Audacity, Erudition, Openness, and Friendship. All citizens, live with their family and are educated in the home faction until they turn 16. At that age, everyone should go through a process of choice. First, they perform an aptitude test to find out which faction each one identifies the most. However, regardless of the outcome of the test, the individual has the power to choose which faction he wishes to unite. After the choice, there is no possibility to go back and he must spend the rest of his life in the chosen faction. Those who are not able to choose or who can not adapt to the place of choice are expelled from society and live miserably in a social category where they are called the “factionless.”

The protagonist of the story is called Beatrice Prior and she comes from the Abnegation faction. She is also the narrator, that is, the novel is in the first person, with a non-omniscient narrator, everything that happens is from Beatrice’s point of view. The story begins when she, at age 16, needs to go through the process of choice. Beatrice discovers that she is not a normal girl. She is “divergent.” A divergent person is one who has strong abilities for more than one faction. Beatrice has the necessary skills to choose between Abnegation, Erudition and Audacity. Being divergent in that society is a very dangerous thing, for they can not be controlled or manipulated like those whose vision and ability are focused on only one quality. The test instructor, Tori, of Audacity, advises Beatrice to remain in Abnegation, so she would be less likely to be discovered by the Erudition leaders, who seek to exterminate the divergent and control the whole society, making Abnegation, which is the Responsible for the governability of the city, is discredited and is annihilated.

However, Beatrice always had many doubts about the decision she wanted to make, and she had always admired the fearless and adventurous way of the Audacity. So she leaves the Abnegation, joins the faction of Audacity, and changes her name to Tris. The whole novel recounts her initiation process, the difficulties she goes through, and, above all, how she begins to understand their divergence, while at the same time hiding this characteristic from everyone, since her life is in danger if discovered. For this, it counts on the help of Four (Tobias), a personage that, due to the proximity with Tris, gains an almost protagonist importance in history. He is the initiator’s instructor, he is 18 years old, that is, he underwent the initiation process two years ago.

Well, I will not dwell on the plot, this is not the goal. I decided to write about Divergent for the reasons I mentioned at the beginning of this text. As he had said, it is not a Christian work, and the theological parallels are not as evident as, for example, in The Chronicles of Narnia or in the Cosmic Trilogy by CS Lewis (Incidentally, with regard to literary quality, Of Lewis is much smarter). However, this does not seem to have been the intention of the author. What Veronica Roth did was simply create a story from her own worldview. She is avowedly Christian, was converted to college, the same time she wrote the trilogy.

One of the things that most caught my attention was the way the work defines the human being: bad, without exception. Man is always inclined to do evil. In the speech at Beatrice’s ceremony of choice, Marcus explains why, many years earlier, society decided to split into factions: “They concluded … that the fault was in the human personality, in the human inclination to evil, whatever Their form. ” (p. 48). On another occasion, Tris reflects on a teaching from his father: “Human reason is able to justify any evil; That is why we should not depend on it ” (p. 111). Tris’ mother also mentions the problem at another time: “Humans, in general, can not be good for long before evil enters again and poisons us” (p. 454).

This thought is totally biblical. In Romans 3:10-12 Paul, referring to Psalms 14:2, states that “there is not one righteous, not even one. There is no one who understands; There is no one who seeks God. All have gone astray, and become useless together. There is none that doeth good, there is none. “Christianity teaches that every man is born inclined to evil. If you depend on your own will, no one ever chooses to seek God, so he is lost. Man tries in all ways to solve social, moral, ethical, political, etc. problems, using his own intelligence and fighting militantly to defend his ideals. However, according to Christian thought, no matter how high that seems to be and no matter how hard one strives to attain it, the natural evil within us will never allow anything to remain good for long and nothing can Be really good if God is not present. This is the basis of the novel. Men tried to solve the problem of social disorder by creating the factions, initially it might have worked, but by the time the story goes on we understand that the system is declining and that man has not ceased to be evil, as Tris herself , “When we get rid of one bad thing, another one replaces it” (p. 418).

At the end of Insurgent and beginning of Convergent we better understand what is really happening in this society of factions. In fact, only the city of Chicago lives under that system. When they realized that the problem was intrinsic to the man, the social leaders decided to carry out a test, surrounding the city and placing therein forgotten people, that is, that they took the “serum of the memory” and they forgot all the life that they had taken until So. They would be watched from the outside, for the idea was that if one forgets his sinful and violent past, he could begin again without sinning. Obviously, that was not the result. Sometimes we think about how unfair it is to pay for the sin of Adam and Eve, as if, by their fault, we are also sinners. But I believe that if the story began all over again and I was put there in the place of Eve, I would have acted the same way or worse. The human being is evil. He always chooses evil.

Curiously I am working on a review of a work that discusses the effects of Calvinism, especially in politics, from the 16th century (there is a chapter also dedicated to the background of the Reformation). I can not pass the reference in Portuguese because the book has not yet been published, but I will leave the link here as soon as this happens. The author is called David W. Hall and the book in English is called Calvin in the Public Square. There is a chapter in which he shows how Calvinist thought influenced American political philosophy at the time of its colonization / foundation. One of the fundamental points of the philosophy of that moment was that, however clever man may be, he will never be able to create a perfect social system because of his sin. Consequently, any political or social system is doomed to failure. From then on, it was justified the necessity of the ruler to submit to the divine will, since only God is able to create and to lead a perfect and immaculate government. The United States, at the time of its foundation, took this thought very seriously. But because of the fallen nature of man and also after the Enlightenment arises with his anthropocentric ideas, making us believe in the lie that, yes, there is something good within us, our tendency is to ignore God and His good will, Perfect and enjoyable. Indeed, with or without Enlightenment, before or after it, man has always believed in being able to achieve good things on his own merits, with his own goodness, and in defending his favorite political system.

Another thing that caught my attention was the characteristic of a divergent one. Since it has enough qualities to identify with more than one faction, it becomes more difficult to control. He is able to be brave (Audacity), selfless (Selflessness), intelligent (Erudition), honest (Openness) and kind (Friendship). Now, these are the expected characteristics of a Christian, not that the Christian possesses all of them, but must seek them out, and in Jesus, is able to attain them. Jesus Christ possesses all these qualities, so he is the Supreme Divergent. In addition, the novel presents the divergent as God-fearing people and come primarily from the Abnegation faction. On the wall of Fourth’s room is written, “So only fear the Lord” (p. 296). Jeanine, one of the leaders of the Erudition and responsible for commanding the annihilation of Self-denial, confesses: “One question that worries me … is: Why is it that most of the dissenters are people of weak will, insignificant and fearful of God, and of all possible factions, usually originating from Abnegation? ” (p. 442).

The divergent is not a good human being in contrast to bad human beings. They are equally wicked who have inexplicably received this rare ability. In the book Insurgent, when Peter accuses Tris of being as bad as he, she replies, “Maybe we’re both bad, but there’s a huge difference between us. I do not content myself to be like that. ” (p. 342). Likewise, the Christian is not a good person. He was born inclined to evil, choosing evil, like all people. The great difference is that, inexplicably, the Christian receives from God the gift of believing in him and choosing to seek him. That is, the Christian only chooses to seek God because he was chosen before. Christianity calls this irresistible, undeserved grace. In 1 John 4:19 we read that we are only capable of loving God because He first loved us, not the other way around.

Tris discovers that she has this quality of being divergent. She did not choose to be like this, as the other divergent people in history did not choose either. Instead, they were chosen. Marcus, the father of Four and one of the leaders of Abnegation, who is also divergent, told Tris: “We are not from here. We were placed here to achieve a specific goal ” (p. 405, from Insurgent). In Insurgente, when she is about to be executed by villain Jeanine, Tris finally begins to understand what their divergence means. The first conclusion she comes to is that what awaits her beyond life is not something that depends on herself or her good or bad deeds:

I think now would be the time to ask for forgiveness for all the things I’ve done, but I know my list would never be complete. Nor do I believe that whatever happens after life depends on a correct listing of my transgressions. (…) In fact, I do not believe that what comes next depends in any way on my actions (p.372).

 

After getting away from death with the help of the most unlikely person (Peter), Tris joins Marcus to try to salvage information that could change the whole fate of that bankrupt society that was under threat of being taken over by the faction. For this, they go to the Friendship headquarters to seek help. In the morning, as she walked, Tris observed a religious ritual and was invited to join the group. A lady took her hands, looked her in the eye and said, “May the peace of God be with you … even in the midst of difficulties.” Tris replied, “Why would she be, after all I’ve done?” And the woman replied, “The question is not you. It’s a gift. You can not deserve it, or it will cease to be a gift. ” (p .429). The grace of God through Jesus Christ is just that! A gift that we are far from deserving. The question is not us. If we were to choose for salvation, we would all be lost. “Salvation belongs to the Lord” (Jn 2:9).

I have not read Convergent yet, just the spoiler, but what I can tell you from what I have discovered is that Tris comes to understand both his function and his divergence, that he uses it on behalf of his brother Caleb, a traitor, who did not deserve his mercy, and She goes so far as to sacrifice herself for him.

Anyway, there are many other parallels about which I could reflect here, but the text ended up getting a lot bigger than I imagined, so if you want to know more and get another list mentioning situations that you observed and that I did not put here, read the book. It’s an exciting read, you can not stop reading and it hurts when you have other things to do and need to close it. He has his problems, really is not a good literature, in the technical sense. But relieve these problems and the experience of this reading will be wonderful as it was for me!

Mariana Ferreira de Toledo

ps.: The references of the pages follow the translation in Portuguese of the publisher Rocco. This is a translation. To read the original in Portuguese, click here.

Quebrar o porquinho

%d7%9c%d7%a9%d7%91%d7%95%d7%a8-%d7%90%d7%aa-%d7%94%d7%97%d7%96%d7%99%d7%a8

Papai não concordou em comprar o boneco do Bart Simpson para mim. Mamãe, sim, queria, mas papai não atendeu meu pedido, disse que sou mimado. “Por que compraríamos, hãn?” Disse para mamãe. “Por que compraríamos para ele? É só ele fazer psiu e você já bate continência.” Papai disse que eu não sei dar valor ao dinheiro, e que se eu não aprender isso enquanto sou pequeno, então quando é que aprenderei? As crianças que compram com facilidade os bonecos do Bart Simpson crescem depois para se tornarem malandros que roubam nos quiosques, porque eles se acostumam com isso de que tudo o que eles querem, obtêm com facilidade. Então, no lugar do boneco do Bart, ele comprou para mim um porco feio de porcelana com um buraco achatado nas costas, e agora eu vou crescer para ser certinho, agora eu já não serei um malandro.

Agora, todas as manhãs, embora eu odeie, preciso beber um copo de leite com chocolate. Chocolate com nata vale um shekel*, sem nata vale meio shekel, e se eu vomito logo em seguida, então não recebo coisa nenhuma. As moedas eu coloco nas costas do porco, e então quando o sacudimos, ele faz barulho. Quando o porco estiver com tantas moedas que, ao ser sacudido, ele não fizer barulho, então eu ganharei o boneco do Bart em cima do skate. Papai diz que assim é educativo.

O porquinho até que é simpático, seu nariz é frio quando tocamos nele, e ele sorri quando colocamos o shekel em suas costas, e também quando colocamos nele somente meio shekel, mas o mais bonito disso é que ele também sorri quando não colocamos nada. Também inventei um nome para ele, eu o chamo de Pessachzon, por causa do nome de um homem que uma vez morou em nossa caixa de correio e que meu pai não conseguiu retirar a etiqueta. Pessachzon não é como os meus outros brinquedos, ele é muito mais calmo, sem luzes, nem molas, nem baterias que vazam no seu rosto. Somente é preciso cuidar dele, para ele não pular da mesa. “Pessachzon, cuidado! Você é de porcelana”, eu digo a ele enquanto o seguro abaixando-o devagar até deixá-lo no chão. E ele sorri para mim e espera pacientemente até que eu o faça descer com as mãos. Eu morro por ele quando ele sorri, somente por ele eu bebo o chocolate com a nata toda manhã, para que eu possa colocar o shekel em suas costas e ver como o seu sorriso não muda nem um pouco. “Eu amo você, Pessachzon!”, digo a ele depois disso, “juro, eu amo você mais do que amo papai e mamãe. E eu também te amarei para sempre, não importa o que aconteça, mesmo que você arrombe os quiosques. Mas tome cuidado para não pular da mesa!”

Ontem papai veio, ergueu Pessachzon da mesa e começou a sacudi-lo, virando-o com selvageria. “Cuidado, pai!”, disse a ele, “Você faz o Pessachzon sentir dor de barriga!” Mas papai continuou. “Ele já não faz barulho, você sabe o que isso quer dizer, Yohavi? Que amanhã você receberá Bart Simpson em cima do skate.” “Legal, pai…”, eu disse, “Bart Simpson em cima do skate, legal. Somente pare de sacudir o Pessachzon, isso faz ele se sentir mal.” Papai voltou com Pessachzon ao lugar e foi chamar mamãe. Ele voltou depois de um minuto puxando mamãe com uma das mãos e, na outra mão, ele carregava um martelo. “Você vê que eu tinha razão?”, ele disse à mamãe, “Assim ele aprendeu a valorizar as coisas, certo, Yohavi?” “Com certeza que eu sei”, eu disse, “Com certeza, mas para quê o martelo?” “Isso é para você.” disse papai e colocou o martelo na minha mão. “Somente tome cuidado!” “Claro que eu terei cuidado!”, eu disse, e realmente tomei cuidado, mas depois de alguns minutos, papai se aborreceu e disse: “Então, quebre já o porco!”. “O quê?”, perguntei, “Pessachzon?”. “Sim, sim, o Pessachzon.”, disse papai. “Então, quebre-o! Você merece o Bart Simpson, trabalhou muito duro por ele.”

Pessachzon sorriu um sorriso triste de um porquinho de porcelana que entende ser esse o seu fim. Que morra Bart Simpson! Eu vou dar com o martelo na cabeça de um amigo? “Eu não quero o Simpson.” Devolvi o martelo a papai: “Pessachzon me basta.”. “Você não entendeu”, disse papai, “Isso realmente é certo, é educativo. Venha, eu o quebrarei para você.” Papai já foi erguendo o martelo, e eu olhei para os olhos quebrantados da mamãe e para o sorriso cansado de Pessachzon, e entendi que tudo dependia de mim, se eu não fizer nada, ele morre. “Pai!”, agarrei suas pernas. “O que foi, Yohavi?”, disse papai, quando a mão que segurava o martelo ainda estava no ar. “Eu quero outro shekel, por favor!”, supliquei. “Me dê outro shekel para colocar nele amanhã, depois do chocolate. E então quebramos. Amanhã, eu prometo!” “Outro shekel?” Papai sorriu e colocou o martelo sobre a mesa. “Você vê? Desenvolvi a consciência no menino.” “Sim, consciência.”, eu disse, “Amanhã.”. Eu já tinha lágrimas na garganta.

Depois que eles saíram do quarto, abracei Pessachzon bem forte e dei lugar às lágrimas. Pessachzon não disse nada, apenas tremeu em silêncio em minhas mãos. “Não se preocupe”, sussurrei-lhe no ouvido, “eu vou te salvar.”

À noite esperei que papai terminasse de ver televisão na sala e fosse dormir. Então me levantei silenciosamente e saí às escondidas pela sacada, junto com Pessachzon. Caminhamos juntos por muito tempo na escuridão, até que chegamos em um campo com espinhos. “Porcos morrem no campo”, eu disse a Pessachzon enquanto o colocava no chão, sobre o campo. “Especialmente sobre campos com espinhos. Aqui será bom para você.” Esperei por uma resposta, mas Pessachzon não disse nada. E quando toquei em seu nariz, em um gesto de despedida, ele somente cravou em mim um olhar triste. Ele sabia que não me veria nunca mais.

  • Moeda oficial de Israel

(Título original lishbor et ha chazir, de Etgar Keret. Traduzido por Mariana Ferreira de Toledo.)

downloadEtgar Keret nasceu em Tel Aviv em 1967. É considerado um dos maiores autores de sua geração, fazendo muito sucesso especialmente entre jovens. Além de escritor, é também professor universitário e roteirista. Já foi traduzido para diversos idiomas. Em português, os únicos materiais que temos traduzidos e publicados (pela Editora Rocco) são seu livro de contos “De repente, uma batida na porta“, traduzido pela professora doutora Nancy Rozenchan, e o romance autobiográfico “Sete anos bons“, com tradução de Maira Parula.

O mal entendido e a questão da linguagem em Crainquebille

crainquebille-poster-melhor

Cartaz do filme “Crainquebille”, de 1922

Crainquebille aferrava-se à sua decisão, obedecendo a uma força interior. De qualquer modo, ser-lhe-ia impossível agora avançar ou recuar. A roda de seu carrinho engatara-se desastradamente à de de uma carroça de leiteiro.

E ele clamava, arrancando os cabelos sob o gorro:

– Mas se eu lhe digo que estou esperando meu dinheiro! Desgraça de azar! Raio de miséria! Demônios do inferno!

A essas manifestações, que contudo exprimiam menos revolta que desespero, o agente 64 julgou-se insultado. E como, para ele, todo o insulto revestia necessariamente a forma tradicional, rotineira, consagrada, ritual e por assim dizer litúrgica de ‘Morte aos bigorrilhas!’, foi sob essa forma que ele recolheu e condensou em seus ouvidos as palavras do insurgente.

– Ah! O senhor disse ‘morte aos bigorrilhas!” Muito bem. Me acompanhe.

No extremo de pasmo e consternação em que se encontrava, Crainquebille fitou seus olhos descorados pelo sol no agente 64 e, na sua voz quebrada, que lhe saía ora de sobre a cabeça, ora debaixo dos calcanhares, exclamou, cruzando os braços sobre o blusão azul:

– Eu disse ‘morte aos bigorrilhas’? Eu?… Ora!

 

Meu objetivo é analisar o problema do mal entendido no conto Crainquebille, de Anatole France, baseando-se na questão da linguagem e do senso comum dos interlocutores como os responsáveis pela falha na comunicação e procurando também observar as consequências que essa falha proporcionou ao protagonista.

O trecho transcrito acima faz parte do conto em análise. O texto narra a história de Crainquebille, um velho que andava pelas ruas de Paris vendendo legumes e verduras num carrinho. Num momento em que ele precisou esperar que uma freguesa lhe pagasse o que comprara, acabou por obstruir a passagem e foi advertido por um policial (o agente 64) para que saísse do caminho. Crainquebille não obedeceu porque queria receber seu dinheiro e, ao ver que o agente 64 iria lhe aplicar uma multa, começou a praguejar. O policial entendeu os resmungos como uma ofensa (“morte aos bigorrilhas”) e o levou preso. Apesar de um homem respeitado (Doutor Mattieu) testemunhar a seu favor no julgamento, Crainquebille foi condenado a quinze dias de reclusão. Quando retornou à sua rotina diária, percebeu que as pessoas o evitavam e o hostilizavam. Revoltado com isso, mas sem saber se comportar perante uma situação até então desconhecida para ele, o protagonista tornou-se um velho ranzinza, gastando em bebida o pouco dinheiro que recebia.

O mal entendido não foi originado no praguejo. A confusão na comunicação surgiu quando houve desentendimento na vontade de ambos. Crainquebille não entendeu que aquela era uma ordem a ser cumprida imediatamente. O agente 64, por sua vez, não compreendeu que Crainquebille precisava receber o seu dinheiro e teria prejuízo se saísse dali. Fazia parte do trabalho do policial ser obedecido. Se isso não acontecesse, ele sairia desautorizado da situação. Já o protagonista queria receber o dinheiro, que era seu de direito, já que a freguesa havia retirado e levado a mercadoria. Esse conflito entre os dois fez com que o agente 64 ficasse à espera de uma ofensa que, em seus ouvidos, vinha sempre representada em sua mente pela frase “morte aos bigorrilhas”. Com isso, bastou que Crainquebille começasse a praguejar para que o agente 64 ouvisse e organizasse as informações da forma como costumava interpretar os insultos.

Esse mal entendido causado tem muito a ver com a questão da inteligência de senso comum e a do modo sistemático, expostas por Bernard Lonergan. Segundo ele, a inteligência sistemática é aquela em que o conhecimento fica emoldurado em definições, e está completo, acabado. Já a inteligência de senso comum tem como característica a espontaneidade. Ela não aceita definições gerais e age por analogia que, nesse caso, consiste na assimilação (que absorve resultados de operações bem sucedidas ou não) e no ajuste (faz as modificações necessárias para não cometer o mesmo erro da operação mal sucedida). Assim, na inteligência de senso comum, não há uma definição concreta e objetiva e, sim, um aprendizado que, conforme é usado, pode sofrer modificações de sentido, de acordo com o seu sucesso ou o seu fracasso.

Em vista disso, pode-se entender que o agente 64 estava utilizando um modo sistemático de pensamento, quando deveria utilizar a inteligência de senso comum. Sua definição de insulto estava limitada à frase “morte aos bigorrilhas” e tudo que lhe parecesse ofensa era recebido dessa forma. A prova disso é que, durante o julgamento, ao ser interrogado pelo presidente quanto ao que disse o Dr. Mattieu (defendeu Crainquebille ao dizer que este não ofendera o policial), o agente 64 diz que o médico também o ofendera. Segundo ele, esta ofensa também foi um grito: “morte aos bigorrilhas”.

Com Crainquebille o problema foi outro. Apesar de o protagonista também utilizar o pensamento sistemático em situações em que se deveria usar o de senso comum, como será visto adiante, nesse caso o que o prejudicou foi sua dificuldade com relação à linguagem. O texto diz que ele não era bom com as palavras e isso o impediu de esclarecer o mal entendido com o policial. O problema não era apenas de vocabulário, muito pobre e vago, mas também de construções sintáticas. Ao perceber essa dificuldade, é possível vir à mente Fabiano, herói de Vidas Secas, de Graciliano Ramos. De fato, a relação entre ambos é bem possível no que diz respeito à linguagem. No conto lê-se:

“Crainquebille tentou expor-lhe o acontecido, o que não lhe era fácil, pois não tinha o hábito da palavra”.

“Esse interrogatório teria produzido mais luz se o acusado tivesse respondido às perguntas que lhe eram feitas. Mas Crainquebille não era afeito às discussões, e, num tal ambiente, o respeito e o espanto trancavam-lhe a garganta”.

Já em Vidas Secas, lê-se:

“Às vezes utilizava nas relações com as pessoas a mesma língua com que se dirigia aos brutos – exclamações, onomatopéias. Na verdade falava pouco. Admirava as palavras compridas e difíceis da gente da cidade, tentava reproduzir algumas, em vão, mas sabia que elas eram inúteis e talvez perigosas”.

A posição social de Crainquebille e Fabiano pode ser a causa da dificuldade que ambos têm com as palavras. Com isso, pode-se comparar a diferença social de diversas personagens do conto e como ela influencia a linguagem de cada um. Os advogados e o presidente do tribunal sabiam utilizar a linguagem, tanto que o advogado de defesa quase convenceu o presidente de que seu cliente era inocente. Se não conseguiu, não foi por problema de retórica, mas novamente o social: o texto diz que, naquela época, os policiais eram muito bem vistos e respeitados. O presidente não poderia desacreditar um protetor da lei e da ordem. Por isso, mesmo com o testemunho do doutor Mattieu a favor de Crainquebille, o agente 64 acabou vencendo o processo.

A mesma falta de familiaridade com a linguagem é a causa de Crainquebille não conseguir se defender das injustas acusações. O herói aceitava o que acontecia sem se revoltar. Ele não tinha idéia da injustiça que sofria, chegando a achar correto que o condenassem, apesar de se saber inocente. Isso é incoerente, mas Crainquebille não conseguia perceber isso.  Chegou a pensar inclusive na possibilidade de realmente haver gritado “morte aos bigorrilhas!”, de alguma maneira misteriosa, mas de que não conseguia se recordar. Contudo, apesar de ter pensado até no sobrenatural, não pensou que o presidente pudesse estar errado. Ele tinha consciência de sua inferioridade em relação ao agente 64 e ao presidente do tribunal. Por isso, não podia passar em sua cabeça que aquelas pessoas tão importantes estivessem erradas. Era normal que tudo o que elas dissessem fosse considerado, ele não era ninguém para se queixar. Com o policial, ocorria quase o contrário: como autoridade, a razão deve ser dele e, se não é obedecido, sente-se ofendido (como já vimos, uma definição sistemática de ofensa) e toma as providências necessárias para que a “justiça” seja feita.

Assim, é possível interpretar como sistemática a maneira com que Crainquebille enxerga o mundo e o espírito jurídico que o rege. A sociedade é dividida em camadas, sendo natural que algumas tenham mais privilégios que outras. Não há possibilidade de ascensão e não há nada de errado nisso. Sua definição de justiça estava completa, não aceitava modificações nem adaptações.

Ao que parece, Crainquebille utilizava o modo de inteligência sistemático para muitas outras definições da vida. Quando ele elogia a limpeza e higiene da cela onde esteve, não podemos saber se o ambiente era realmente limpo ou se o protagonista o considerou assim porque sua idéia de limpeza era diferente da que geralmente se tem. O que se pode saber era que o ambiente em que costumava descansar ou dormir não era de muito conforto e provavelmente não havia muita higiene. Comparando seu ambiente de descanso e a cela para onde o levaram, Crainquebille elogiou o espaço, chegando a dizer que era possível comer no chão.

Ao sair da cadeia, o protagonista vê-se evitado pelos que antes eram seus fregueses. A partir disso, ele enxerga como realmente era injusta a sociedade em que vivia. Por não saber se comportar perante esta situação, o velho Crainquebille tornou-se injusto (exatamente a característica que notara com tristeza no meio parisiense), tratando mal as pessoas, mesmo aquelas que não mudaram de atitide em relação a ele. O conto diz:

“Não há como negar: ele tornou-se inconveniente, ranzinza, rixento, deslinguado. É que, achando a sociedade imperfeita, não tinha ele a aptidão de um professor da Escola de Ciências Morais e Políticas para exprimir o que pensava sobre os vícios do sistema e as reformas necessárias, e as idéias não se lhe desenrolavam na cabeça com ordem e medida.”

Crainquebille não possuía experiências de vida para lidar com a imperfeição que recém descobrira na sociedade. Esse problema parece ser de senso comum. Ele percebeu que sua definição sistemática para justiça estava equivocada no meio onde se encontrava. Lonergan afirma que “o homem de senso comum está preparado para falar e agir apropriadamente em todas as ocasiões normais em seu meio ambiente”. Um homem de senso comum sabe exprimir sua forma de pensar de acordo com a situação a ser encarada. Ele deve adaptar o seu próprio senso comum, para não parecer um estranho ou um louco, como aconteceu com Crainquebille.

Ao final do conto, pode-se pensar numa distante evolução no senso comum de Crainquebille. Ao se ver na rua, passando frio e fome, lembrou-se da cadeia, onde tinha teto, comida e cobertor. Percebeu então que estar lá era melhor do que permanecer na situação terrível em que se encontrava. Daí, Crainquebille lembrou-se do motivo por que foi preso: procurou um guarda e lhe gritou: “morte aos bigorrilhas!”, pensando que este se sentiria ofendido e o prenderia, da mesma forma como fez o agente 64. Porém, o policial não se importou, considerando-o um velho louco. Com esse fracasso, o protagonista percebe que sua tentativa de modificação falhou. Essa evolução de seu senso comum é vista como bem distante, já que ainda essa modificação ainda era equivocada e não se encaixava às situações normais.

Também é possível ver esta tentativa como sistemática, se for levado em consideração que Crainquebille estava utilizando uma espécie de fórmula lógica: se “morte aos bigorrilhas” ofendia o agente 64, a mesma expressão deveria ofender quaisquer outros agentes. Essa idéia também se fechou numa definição paradigmática. Se o seu aprendizado tivesse sido de senso comum, Crainquebille teria pensado em outras formas de desacato ao policial e muito provavelmente teria atingido seu objetivo, que era o de voltar à cadeia.

Por tudo o que foi apresentado nesta análise, conclui-se que o conto Crainquebille possui uma crítica à sociedade parisiense da época, em que pessoas como o protagonista eram molestadas por causa da linguagem e indignas de serem consideradas cidadãs. Também é possível concluir que o problema de linguagem dessas pessoas era devido, entre outras causas, à confusão ao utilizar a inteligência sistemática e a de senso comum.

Referências Bibliográficas

FRANCE, Anatole. Crainquebille (tradução de Celina Portocarrero). In: Costa, Flávio M. (org.). Os 100 melhores contos de crime e mistério da literatura universal. São Paulo: Ediouro, 2002.

LONERGAN, Bernard. Horizontes que se unem: o sistema, o senso comum, a erudição.

RAMOS, Graciliano. Vidas secas. São Paulo: Record, 2003.

Prisão de ventre

A primeira vez que Mariana percebeu que alguma coisa não estava bem com Daniel foi num sábado pela manhã. Nesse dia ele acordou cedo e se sentou na beirada da cama, olhando para fora. As cortinas do quarto não estavam totalmente fechadas, e lá fora parecia que ia chover. Fazia frio. Daniel passou a mão no cabelo. Durante alguns minutos ele ficou sentado imóvel. As pontas de seus pés encostavam no chão gelado. Havia silêncio na casa.

Uma hora depois, quando Mariana acordou, ela encontrou sobre a mesinha da sala pilhas organizadas de livros. No sofá havia uma mala aberta e ao seu lado roupas dobradas. Não havia nada dentro da mala. A porta para o jardim estava aberta e um vento fraco entrou na casa. Ela se aproximou para olhar lá fora e viu Daniel de pé na grama com o cachorro. Ele abraçava o animal, apertando-o contra o peito. As patas dianteiras e a cabeça do animal alcançavam seu ombro. Estava vestido com calças de veludo cotelê e um suéter. “O que aconteceu?”, ela perguntou. “Aconteceu alguma coisa?”

“Não”, Daniel respondeu. Ele afundou o queixo e virou a cabeça para trás para olhar por cima do cão. “O cachorro está com prisão de ventre”, disse.

“O quê?”, Mariana perguntou. Ela ainda não havia acordado completamente.

Daniel deu de ombros. Ela segurou as cortinas, observou-os por um momento e depois entrou. Enquanto ia para o banheiro, perguntou-lhe sobre as coisas que estavam na sala. Ergueu a voz para que ele pudesse escutá-la do jardim. “E o que são todas aquelas coisas em cima da mesa?”,  perguntou.

Ele não respondeu, mas Mariana tampouco esperou pela resposta. Já estava a caminho do chuveiro.

Quando saiu, seu filho estava de pé ao lado da porta, de pijama. Ele se encostou no armário de casacos. Mariana vestiu um suéter de golfe. Seu cabelo estava preso por uma presilha e as pontas molhadas pingavam sobre seus ombros e sobre a nuca, dentro do colarinho.

“Você já acordou?”, ela perguntou. “Ainda não são nove horas.”

O menino ficou encostado e olhou para cima, para o teto. Ele mexia a cabeça e esfregava o cabelo na porta do armário. Quando ele falou, falou baixinho. “Papai me acordou”, disse. Depois acrescentou: “Ele disse que eu precisava me levantar.”

“Por quê?”, perguntou. “Ele disse para quê?”

O menino apertou os lábios. “Não”, respondeu.

“O que está acontecendo com você?”, ela perguntou.

O menino tombou sua cabeça para o lado até que a orelha se encontrasse com o ombro.

Mariana se agachou e o agarrou pelos ombros. “O que aconteceu?” Perguntou. Ela o sacudia.

Ele não respondeu e não olhou para ela. Olhava para o lado. “Papai está na cozinha”, disse. Havia silêncio na casa. O cabelo de Mariana pingava sobre a nuca e ela se deparou com o frescor do vento vindo do jardim.

Enquanto ia para a cozinha ela começou a balbuciar alguma coisa, mas quando viu Daniel, deteve-se.

Ele estava de pé ao lado da pia e, à sua frente, o cachorro. Suas patas traseiras estavam em uma pia e as da frente em outra. Quando viu Mariana, o cão tentou escapar, mas suas garras se deslizaram sobre a cerâmica e ele caiu. Quando se levantou, Daniel desferiu em seu nariz um golpe com a palma da mão aberta. O cachorro fez-se ouvir um grande ganido e caiu novamente com o peito sobre a divisória entre as pias. Fez uns movimentos com as patas, tentou se levantar, mas escorregou. Daniel o agarrou e o levantou. Ele ficou em silêncio. O sangue pingava de seu nariz até o fundo da pia.

Mariana se assustou. “O que você está fazendo com ele?”, gritou. “Por que está batendo nele?”

Ela se aproximou, mas Daniel a repeliu com a mão, as pontas de seus dedos tocaram o peito dela.

“Se você não pode ajudar, então não atrapalha”, disse. Ela tirou a mão dele e tentou dar outro passo à frente, mas foi impedida. “Eu te falei. Ele está com prisão de ventre”, disse. “Você não pode ajudar, certo? Então não atrapalha.”

“Do que você está falando?”, ela perguntou. Tentou chegar até a pia. Daniel ergueu uma das mãos como se fosse golpeá-la. Ela se afastou e ergueu o cotovelo sobre a cabeça, para proteger o rosto. Mas o tapa não veio.

“O que você quer dele?”, ela perguntou. Seu rosto se crispou. Começou a chorar. “O que está fazendo com ele?”

Daniel não respondeu. Abriu a torneira de água fria. Mariana olhou para o cachorro. Suas patas se agitavam e se molhavam. Ele tremia. “O que aconteceu?”, perguntou. Ela chorava tanto que era difícil entender o que dizia. “O que você está fazendo com ele?”, insistiu. “Solte-o. Deixe-o ir. Daniel, solte-o.”

Daniel olhou para ela. “Escute-me”, disse. Porém interrompeu a frase no meio. Ele parou para pensar por um momento e então continuou: “Escute-me, volte a dormir, está bem? Você não pode me ajudar, então talvez seja mais simples você ir para a cama e dormir.”

“O que aconteceu com você?”, ela perguntou. “O que você quer do cachorro?”. O menino saiu do canto e se aproximou dela. Ele segurou sua mão e encostou a cabeça em seu quadril.

Daniel fechou os olhos e se concentrou na água que enchia a pia. Houve um momento de silêncio. Depois ele abriu os olhos e virou-se. Disse devagar, mas em voz alta: “Há algo que você pensa que possa fazer?”. Com a mão aberta, ele apontou para o cão. “Olhe”, ele gritou, “você acha que pode ajudar?”

Mariana não respondeu. Daniel pôs as duas mãos na beirada da pia e inclinou-se para frente. Olhou para baixo e esperou mais um instante. Quando se garantiu de que ela já não responderia, ele se virou e fechou a torneira. Ouviu-se um silêncio. Era possível ouvir o silêncio além da porta para o jardim. A pia estava cheia até a metade. “Excelente”, ele disse, “excelente.” Começou a procurar alguma coisa nas gavetas.

“Daniel”, Mariana disse, “o que aconteceu?”

O menino ergueu a cabeça e olhou para sua mãe. Ele pensou que ela havia parado de chorar. Mas ela não parou. As lágrimas escorriam de seus cílios no suéter. “Daniel?”.

Daniel não encontrou o que procurava. Começou a revirar as gavetas e a tirar tudo de dentro delas. Utensílios de metal batiam ruidosamente sobre o mármore. Facas, abridores de lata e colheres. “Meu Deus!”, ele disse. “Que casa é esta?” Ele revirava o amontoado.

Depois parou no meio da cozinha e passou a mão nos cabelos. Ele pensou por um momento. O cachorro não se mexeu. Seu corpo ainda tremia.

Mariana tentou dizer alguma coisa, porém Daniel a calou num gesto com a mão. Ele se aproximou da pia e tirou a tampa do ralo. Depois esperou um pouco, mas antes que a água terminasse de escoar, ele ergueu o cachorro e o segurou debaixo do braço. Com o outro braço procurou nos bolsos dos casacos que estavam pendurados ao lado da porta até encontrar as chaves do carro. Já estava saindo, mas depois que abriu a porta deteve-se, como se tentasse se lembrar de alguma coisa que poderia haver esquecido.

“Daniel”, Mariana disse. Ela chorava. “Daniel, o que aconteceu com você?”

“Mariana,”, ele replicou, “fecha essa sua boca, está bem? Feche-a ou senão lhe quebrarei os ossos.” Ele enfiou as chaves no bolso e colocou o cão sobre a mesa de jantar. Entrava um vento pela porta aberta. A água pingava da pele do cachorro sobre a mesa. Daniel ficou parado na entrada da cozinha e mexia nas chaves do bolso através do tecido da calça.

Mariana falou baixinho. “Daniel,”, ela disse, “Daniel, o que você quer dele?”

Daniel se aproximou do lugar onde ela estava parada.

Ele articulou cada palavra pausadamente. “Cale a boca.”, gritou. “Ouviu?”

Seu rosto ficou bem perto do dela. Foi difícil para Mariana olhar para ele dessa distância, mas ela não se afastou. O hálito dele cheirava a creme dental. Ela tentou pegar em suas mãos, mas foi impedida.

“Ouviu?”, ele gritou.

Mariana chorava. Ele a segurou pelos pulsos e a apertou contra a parede. “Ouviu?”

Ela balançou a cabeça. Sua boca estava aberta e um fio de saliva lhe escorria dos lábios. “Ótimo”, Daniel disse.

Ele a soltou e se aproximou da mesa. Em seguida, pegou o cachorro e saiu de casa batendo a porta.

Mariana se sentou.

O menino ficou ao seu lado. Seus joelhos tremiam. Eles ouviram a porta do carro se fechar e o som do motor. Depois, ouviram o barulho que se afastava.

TAUB, Gadi. Tradução feita por Mariana Ferreira de Toledo a partir do texto original עצירות (‘atsirut).

download

Gadi Taub

 Gadi Taub nasceu em 1965, em Jerusalém. É jornalista, escritor e professor da Universidade Hebraica de Jerusalém. Além de textos acadêmicos e políticos, Taub já escreveu contos, romances e livros infantis. É um dos principais autores do pós-modernismo israelense.

Poesia moçambicana e negritude

mozambique-653169_1280

Poesia Moçambicana

 

O objetivo deste trabalho é desenvolver uma reflexão a respeito da questão da negritude na poesia moçambicana. A proposta é iniciar essa análise pensando no começo de tudo, ou seja, desde quando surgiu no mundo o conceito “negritude” e como essa concepção evoluiu em Moçambique, mantendo ou não suas características iniciais.

Inicialmente, o africano pretendia identificar-se como homem negro, valorizando essa sua condição. Dessa forma, não havia uma identificação nacional, mas continental. Esse pensador era um africano, e não um moçambicano, angolano etc. A concepção da nacionalidade africana ainda estava muito imatura.

No século XIX encontramos alguns poetas que demonstram sua preocupação com o ser negro. No entanto, sua visão ainda estava bastante presa aos moldes da literatura ocidental, em que a beleza suprema é a da mulher branca. A negra, quando aparece em algum texto, leva toda uma conotação sexual. Como exemplo disso, temos dois poetas moçambicanos: Cordeiro da Mata e Costa Alegre.

Cordeiro da Mata escreveu um poema intitulado “Uma Quissama” (1872). Ali, ele exalta a beleza de uma quissama, apesar de manter a idéia da beleza tradicional branca, como se dissesse: “ela é bonita, apesar de negra”:

Em manhã fria, nevada,

N’essas manhãs de cacimbo

Em que uma alma penada

Não se lembra de ir ao limbo;

Eu vi formosa, correcta,

Não sendo européia dama

A mais sedutora preta

Das regiões da Quissama.

(grifo meu)

Em outra estrofe do poema, Cordeiro da Mata escreve: “Nos lábios – posto que escuros – / viam-se-lhe risos puros.” Assim, vê-se que ele sempre analisa a beleza da negra comparando-a com uma branca. Também aqui, a mulher aparece como “sedutora”, e não como pura, preparada para um casamento casto.

Costa Alegre, em 1891, publicou o poema “Negra”, onde tenta alterar a forma tradicional de beleza, sem, contudo, conseguir afastar-se totalmente da branquidade padrão:

 

Negra! Negra! Como a noite

D’uma horrível tempestade,

Mas, linda, mimosa e bella,

Como a mais gentil beldade.

(grifo meu)

De qualquer forma, a negra ainda não é vista como uma mulher que mereça ser amada realmente, nem é aquela a quem o poeta se entrega submisso. Sua beleza ainda está ligada à sedução. Ela é bonita para o sexo e não para o casamento. Mas essa não deixou de ser uma tentativa de intervir no padrão da beleza branca ocidental. Esses autores foram sujeitos que, em sua época, tentaram reconhecer e construir sua própria identidade.

No começo do século XX, um advogado chamado Sylvester Williams organizou uma conferência pan-africana, que consistia em fazer com que os negros não nascidos na África reconhecessem o continente como sua pátria e se solidarizassem com os africanos colonizados. Assim, surgiu a ideia de “negro com muito orgulho” e outras frases parecidas que, ao invés de acabar com o problema da discriminação, incentivava a segregação racial. Alguns mais entusiasmados, como o jamaicano Marcus Garvey, defendiam a proposta do “regresso à África”, ou seja, todos os negros deveriam voltar ao seu continente de origem e criarem ali o seu império.

Houve muitos congressos para a discussão de temas como o anticolonialismo. Um dos principais representantes do pan-africanismo foi Du Bois. Ele protestava contra o imperialismo, defendia a independência, exaltava sua cor, defendia o direito à igualdade e respeito, sendo contra os privilégios para os brancos. Du Bois influenciou muitos autores africanos de sua época e posteriores.

Além dessas discussões, os negros chamaram atenção para sua causa através da música (jazz, blues etc.). Algumas revistas entraram em circulação, como a Legítime Défensee e La Revue Du Monde Noir. Todas essas formas de defesa à causa negra estavam sendo inseridas em um movimento chamado Nègritude. Simone Caputo Gomes, em texto publicado em sua página na internet, define o movimento da seguinte forma:

A Nègritude propriamente dita nasceu, portanto, de um protesto intelectual de negros de formação cultural européia que tomavam consciência da diferença e da inferiorização que os europeus impunham aos descendentes da África. (p. 04)

Alguns negros eram contra o movimento da negritude, acreditando que ela também era uma forma de preconceito. Outros a consideravam problemática porque não era possível falar de uma cultura negra, já que dentro da África (continente tão grande) havia várias culturas. Pensar em uma cultura seria ocultar as nacionalidades que lutavam por sua independência não só política, mas também cultural.

Dessa forma, a Negritude foi tomando características específicas para cada grupo. Quero dizer, ela apresentava uma essência comum, mas cada grupo acrescentava características em conformidade ao seu modo de pensar. De acordo com Caputo, no mesmo texto citado anteriormente, não é possível falar de Negritude como movimento organizado nas colônias portuguesas, “visto que coincidiu como recrudescimento da ditadura salazarista (a partir de 1949), culminando em 1965, com o fechamento da Sociedade Portuguesa de Escritores” (p. 07).

O conceito de Negritude mudou também a partir dos movimentos de independência das colônias. Começaram a estudar a história do negro pois, descobrindo sua ancestralidade, descobria-se também uma forma de conquistar seu espaço no mundo.

Em Moçambique, muitos autores fizeram tentativas de defender sua condição de negro, seguindo algumas características da negritude, mas sem levar muito em conta a questão da nacionalidade. Os autores de personalidade nacionalista começaram a aparecer por volta de 1945. Eles apresentavam algumas características do movimento da Negritude, queriam a igualdade, denunciavam o racismo, a exploração colonial etc.

Pioneiros nesse tipo de poesia foram José Craveirinha e Noémia de Sousa. A poetisa nunca publicou seus poemas em uma obra, eles foram dispersos em publicações antológicas. Foi somente seis meses antes de morrer que alguém decidiu reunir seus poemas em um livro.

Noémia assume sua identidade como africana, relacionando a África com a maternidade (inclusive porque sua mãe era negra). Também é em seus poemas que encontramos o pensamento da consciencialização (e não conscientização) que, além da tomada de consciência, há a atitude de abandonar a situação de alienado, alienação essa que permitia que os colonizados assumissem de forma passiva a cultura e as imposições dos colonizadores.

Suas composições também são inovadoras porque ela é um dos primeiros autores a valorizarem a estética do homem negro, sem considerá-lo sob uma visão erótica ou sexual. Sua poesia era de protesto contra a colonização. Para isso, ela usava a imagem da mulher oprimida e violentada, como se pode ver no poema “Sangue Negro”, de 1949:

 

Ó minha África misteriosa e natural,

Minha virgem violentada,

Minha Mãe!

(…)

Como se teus filhos – régias estátuas sem par – ,

Altivos, em bronze talhados,

Endurecidos no lume infernal

Do teu sol causticante, tropical,

Como se teus filhos intemeratos, sobretudo lutando,

À terra amarrados,

Como escravos, trabalhando,

Amando, cantando –

Meus irmãos não fossem!

No início do poema ela relaciona a África à sua mãe, e a compara a uma virgem violentada, provavelmente pela colonização. Mais adiante no poema, Noémia se mostra inconformada com o fato de seus irmãos africanos reagirem tão passivamente (como régias estátuas) diante do colonizador. Eles estão alienados, tanto que nem parecem ser irmãos da poetisa, que já assumiu a atitude de consciencialização.

José Craveirinha é outro autor inovador porque assume sua africanidade a partir de seu compromisso com a moçambicanidade.  Ele adota algumas características do movimento da Negritude, opta pela expressão oral etc. Na verdade, não só ele, mas Noémia de Sousa, Rui Knopfli, Rui Nogar e outros decidiram não eliminar heranças lusitanas como, por exemplo, a língua portuguesa. Ao contrário, assumiram-na, acrescentando expressões, marcas de oralidade, sotaques, típicos de Moçambique. Craveirinha, portanto, se afirma como moçambicano sem desconsiderar a cultura “alheia” penetrada na “própria”. Ele não considera que isso ameace seu conceito de africanidade, mas apenas o reestrutura.

No poema “Hino à minha terra” (1974), ele exalta enfaticamente sua situação de moçambicano. Utiliza o bom português, mas não abre mão da expressão oral moçambicana nem de termos que são nomes de sua terra, como ele diz:

(…) E grito Inhamússua, Mutamba, Massangulo!!!

E torno a gritar Inhamússua, Mutamba, Massangulo!!!

E outros nomes da minha terra

Afluem doces e altivos na memória filial

E na exacta pronúncia desnudo-lhes a beleza.

(…)

Oh, as belas terras do meu áfrico País

E os belos rios e os belos lagos e os belos peixes

E as belas aves dos céus do meu País

E todos os nomes que eu amo belos na língua ronga

Macua, suaíli, changana,

Xístsua e bitonga

Dos negros Camunguine, Zavala, Meponda, Chissibuca

Zongoene, Ribáuè e Mossuril. (…)

Quanto ao movimento da negritude, o poeta considera relevante. Ele disse em entrevista a Rita chaves e Omar Thomaz, em 1998:

Essa mestiçagem sempre que era identificada com o universo negro era marginalizada. A opressão dava para todos. Mas às vezes fico baralhado. E não aceito a defesa da Negritude como uma atitude racista. Eu só considero como racismo se uma pessoa afirma:”Eu tenho orgulho em ser negro.” Isso pode ser visto como uma forma de se achar mais. Eu acho que uma pessoa deve exaltar sua cor para ser igual, não para ser superior. É preciso compreender que eu posso ser negro e belo, que eu não preciso copiar o branco para ser aceito. Essa é ainda uma grande confusão que uma pessoa encontra aqui em África. (2005, p. 239)

A maneira como ele se relacionava com a Negritude foi no sentido de encarar o racismo como sendo uma das faces da exploração. O negro deveria lutar para conquistar seu espaço em seu espaço (África) e não depender do outro. Isso envolvia a valorização e disseminação da cultura negra para que o africano, além da liberdade, recuperasse sua auto-estima. Rita Chaves (2005) diz que, para Craveirinha “a isso articulava-se o sentido de classe, deixando clara a ligação com as camadas populares”. (p. 149)

Além desses e de outros poetas, surgiram nessa época em Moçambique diversos tipos de publicações, como suplementos de jornais, revistas etc., que assumiam posturas claramente influenciadas pelo pan-africanismo e pela Negritude. Devido ao pouco espaço de que disponho neste trabalho, não analisarei outros poetas que também reconheceram sua identidade moçambicana, a exemplo de Noémia e Craveirinha.

Assim, é possível observar o amadurecimento dos poetas moçambicanos quanto à sua visão como africano, e a relação dessa visão com o movimento da Negritude. Trata-se de poetas inconformados com sua situação de colonizado, que utilizavam a cultura própria parra vencer a batalha contra aqueles que os detinham em poder imperialista.

Referências Bibliográficas

CHAVES, Rita. Angola e Moçambique: Experiência Colonial e territórios Literários. Cotia: Ateliê Editorial, 2005.

FERREIRA, Manuel. 50 poetas africanos. Lisboa: Plátano Editora, 1989.

GOMES, Simone Caputo. Caminhos da Negritude na Poesia Moçambicana. Disponível em: http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:MR25kjo9hNwJ:www.simonecaputogomes.com/textos/negritude.doc+simone+caputo+gomes+negritude&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br . Acesso em 23/06/2010.