The social and political failure as a consequence of human depravity in Veronica Roth’s Divergent Trilogy

divergente(Attention! Contains Spoilers!)

Lately I have given opportunities to certain authors who, at other times, I would have rejected. I recently discovered a writer named Veronica Roth, author of the Divergent Trilogy. I read the first (of the same name) and the second (Insurgent). This week I’m going to buy the last one (Convergent), but the curiosity has already led me to the spoilers, so I can comment here also about the outcome of this story. I decided to write about it because I could perceive a very biblical worldview, though the novel itself is not considered properly Christian or theological. He considers as presupposed the doctrine of total depravity of man and the failure of the human being in trying to repair the problem of humanity on the basis of his own knowledge.

I was really impressed by the author’s originality. It is a dystopian novel, set in the not-too-distant future in the city of Chicago. Society was divided into five factions: Self-denial, Audacity, Erudition, Openness, and Friendship. All citizens, live with their family and are educated in the home faction until they turn 16. At that age, everyone should go through a process of choice. First, they perform an aptitude test to find out which faction each one identifies the most. However, regardless of the outcome of the test, the individual has the power to choose which faction he wishes to unite. After the choice, there is no possibility to go back and he must spend the rest of his life in the chosen faction. Those who are not able to choose or who can not adapt to the place of choice are expelled from society and live miserably in a social category where they are called the “factionless.”

The protagonist of the story is called Beatrice Prior and she comes from the Abnegation faction. She is also the narrator, that is, the novel is in the first person, with a non-omniscient narrator, everything that happens is from Beatrice’s point of view. The story begins when she, at age 16, needs to go through the process of choice. Beatrice discovers that she is not a normal girl. She is “divergent.” A divergent person is one who has strong abilities for more than one faction. Beatrice has the necessary skills to choose between Abnegation, Erudition and Audacity. Being divergent in that society is a very dangerous thing, for they can not be controlled or manipulated like those whose vision and ability are focused on only one quality. The test instructor, Tori, of Audacity, advises Beatrice to remain in Abnegation, so she would be less likely to be discovered by the Erudition leaders, who seek to exterminate the divergent and control the whole society, making Abnegation, which is the Responsible for the governability of the city, is discredited and is annihilated.

However, Beatrice always had many doubts about the decision she wanted to make, and she had always admired the fearless and adventurous way of the Audacity. So she leaves the Abnegation, joins the faction of Audacity, and changes her name to Tris. The whole novel recounts her initiation process, the difficulties she goes through, and, above all, how she begins to understand their divergence, while at the same time hiding this characteristic from everyone, since her life is in danger if discovered. For this, it counts on the help of Four (Tobias), a personage that, due to the proximity with Tris, gains an almost protagonist importance in history. He is the initiator’s instructor, he is 18 years old, that is, he underwent the initiation process two years ago.

Well, I will not dwell on the plot, this is not the goal. I decided to write about Divergent for the reasons I mentioned at the beginning of this text. As he had said, it is not a Christian work, and the theological parallels are not as evident as, for example, in The Chronicles of Narnia or in the Cosmic Trilogy by CS Lewis (Incidentally, with regard to literary quality, Of Lewis is much smarter). However, this does not seem to have been the intention of the author. What Veronica Roth did was simply create a story from her own worldview. She is avowedly Christian, was converted to college, the same time she wrote the trilogy.

One of the things that most caught my attention was the way the work defines the human being: bad, without exception. Man is always inclined to do evil. In the speech at Beatrice’s ceremony of choice, Marcus explains why, many years earlier, society decided to split into factions: “They concluded … that the fault was in the human personality, in the human inclination to evil, whatever Their form. ” (p. 48). On another occasion, Tris reflects on a teaching from his father: “Human reason is able to justify any evil; That is why we should not depend on it ” (p. 111). Tris’ mother also mentions the problem at another time: “Humans, in general, can not be good for long before evil enters again and poisons us” (p. 454).

This thought is totally biblical. In Romans 3:10-12 Paul, referring to Psalms 14:2, states that “there is not one righteous, not even one. There is no one who understands; There is no one who seeks God. All have gone astray, and become useless together. There is none that doeth good, there is none. “Christianity teaches that every man is born inclined to evil. If you depend on your own will, no one ever chooses to seek God, so he is lost. Man tries in all ways to solve social, moral, ethical, political, etc. problems, using his own intelligence and fighting militantly to defend his ideals. However, according to Christian thought, no matter how high that seems to be and no matter how hard one strives to attain it, the natural evil within us will never allow anything to remain good for long and nothing can Be really good if God is not present. This is the basis of the novel. Men tried to solve the problem of social disorder by creating the factions, initially it might have worked, but by the time the story goes on we understand that the system is declining and that man has not ceased to be evil, as Tris herself , “When we get rid of one bad thing, another one replaces it” (p. 418).

At the end of Insurgent and beginning of Convergent we better understand what is really happening in this society of factions. In fact, only the city of Chicago lives under that system. When they realized that the problem was intrinsic to the man, the social leaders decided to carry out a test, surrounding the city and placing therein forgotten people, that is, that they took the “serum of the memory” and they forgot all the life that they had taken until So. They would be watched from the outside, for the idea was that if one forgets his sinful and violent past, he could begin again without sinning. Obviously, that was not the result. Sometimes we think about how unfair it is to pay for the sin of Adam and Eve, as if, by their fault, we are also sinners. But I believe that if the story began all over again and I was put there in the place of Eve, I would have acted the same way or worse. The human being is evil. He always chooses evil.

Curiously I am working on a review of a work that discusses the effects of Calvinism, especially in politics, from the 16th century (there is a chapter also dedicated to the background of the Reformation). I can not pass the reference in Portuguese because the book has not yet been published, but I will leave the link here as soon as this happens. The author is called David W. Hall and the book in English is called Calvin in the Public Square. There is a chapter in which he shows how Calvinist thought influenced American political philosophy at the time of its colonization / foundation. One of the fundamental points of the philosophy of that moment was that, however clever man may be, he will never be able to create a perfect social system because of his sin. Consequently, any political or social system is doomed to failure. From then on, it was justified the necessity of the ruler to submit to the divine will, since only God is able to create and to lead a perfect and immaculate government. The United States, at the time of its foundation, took this thought very seriously. But because of the fallen nature of man and also after the Enlightenment arises with his anthropocentric ideas, making us believe in the lie that, yes, there is something good within us, our tendency is to ignore God and His good will, Perfect and enjoyable. Indeed, with or without Enlightenment, before or after it, man has always believed in being able to achieve good things on his own merits, with his own goodness, and in defending his favorite political system.

Another thing that caught my attention was the characteristic of a divergent one. Since it has enough qualities to identify with more than one faction, it becomes more difficult to control. He is able to be brave (Audacity), selfless (Selflessness), intelligent (Erudition), honest (Openness) and kind (Friendship). Now, these are the expected characteristics of a Christian, not that the Christian possesses all of them, but must seek them out, and in Jesus, is able to attain them. Jesus Christ possesses all these qualities, so he is the Supreme Divergent. In addition, the novel presents the divergent as God-fearing people and come primarily from the Abnegation faction. On the wall of Fourth’s room is written, “So only fear the Lord” (p. 296). Jeanine, one of the leaders of the Erudition and responsible for commanding the annihilation of Self-denial, confesses: “One question that worries me … is: Why is it that most of the dissenters are people of weak will, insignificant and fearful of God, and of all possible factions, usually originating from Abnegation? ” (p. 442).

The divergent is not a good human being in contrast to bad human beings. They are equally wicked who have inexplicably received this rare ability. In the book Insurgent, when Peter accuses Tris of being as bad as he, she replies, “Maybe we’re both bad, but there’s a huge difference between us. I do not content myself to be like that. ” (p. 342). Likewise, the Christian is not a good person. He was born inclined to evil, choosing evil, like all people. The great difference is that, inexplicably, the Christian receives from God the gift of believing in him and choosing to seek him. That is, the Christian only chooses to seek God because he was chosen before. Christianity calls this irresistible, undeserved grace. In 1 John 4:19 we read that we are only capable of loving God because He first loved us, not the other way around.

Tris discovers that she has this quality of being divergent. She did not choose to be like this, as the other divergent people in history did not choose either. Instead, they were chosen. Marcus, the father of Four and one of the leaders of Abnegation, who is also divergent, told Tris: “We are not from here. We were placed here to achieve a specific goal ” (p. 405, from Insurgent). In Insurgente, when she is about to be executed by villain Jeanine, Tris finally begins to understand what their divergence means. The first conclusion she comes to is that what awaits her beyond life is not something that depends on herself or her good or bad deeds:

I think now would be the time to ask for forgiveness for all the things I’ve done, but I know my list would never be complete. Nor do I believe that whatever happens after life depends on a correct listing of my transgressions. (…) In fact, I do not believe that what comes next depends in any way on my actions (p.372).

 

After getting away from death with the help of the most unlikely person (Peter), Tris joins Marcus to try to salvage information that could change the whole fate of that bankrupt society that was under threat of being taken over by the faction. For this, they go to the Friendship headquarters to seek help. In the morning, as she walked, Tris observed a religious ritual and was invited to join the group. A lady took her hands, looked her in the eye and said, “May the peace of God be with you … even in the midst of difficulties.” Tris replied, “Why would she be, after all I’ve done?” And the woman replied, “The question is not you. It’s a gift. You can not deserve it, or it will cease to be a gift. ” (p .429). The grace of God through Jesus Christ is just that! A gift that we are far from deserving. The question is not us. If we were to choose for salvation, we would all be lost. “Salvation belongs to the Lord” (Jn 2:9).

I have not read Convergent yet, just the spoiler, but what I can tell you from what I have discovered is that Tris comes to understand both his function and his divergence, that he uses it on behalf of his brother Caleb, a traitor, who did not deserve his mercy, and She goes so far as to sacrifice herself for him.

Anyway, there are many other parallels about which I could reflect here, but the text ended up getting a lot bigger than I imagined, so if you want to know more and get another list mentioning situations that you observed and that I did not put here, read the book. It’s an exciting read, you can not stop reading and it hurts when you have other things to do and need to close it. He has his problems, really is not a good literature, in the technical sense. But relieve these problems and the experience of this reading will be wonderful as it was for me!

Mariana Ferreira de Toledo

ps.: The references of the pages follow the translation in Portuguese of the publisher Rocco. This is a translation. To read the original in Portuguese, click here.

Anúncios

O fracasso social e político como consequência da depravação humana na trilogia Divergente, de Veronica Roth

divergente

(Atenção! Contém Spoilers!)

Ultimamente tenho dado oportunidades a certos autores que, em outras épocas, eu teria rejeitado. Descobri recentemente uma escritora chamada Veronica Roth, autora da trilogia Divergente. Li o primeiro (de mesmo nome) e o segundo (Insurgente). Esta semana vou comprar o último (Convergente), mas a curiosidade já me levou aos spoilers, por isso poderei comentar aqui também sobre o desfecho dessa história. Decidi escrever a respeito dela porque pude perceber uma cosmovisão bastante bíblica, apesar de o romance em si não ser considerado propriamente cristão ou teológico. Ele considera como pressuposto a doutrina da depravação total do homem e o fracasso do ser humano ao tentar consertar o problema da humanidade com base em seu próprio conhecimento.

Eu fiquei realmente impressionada com a originalidade da autora. Trata-se de um romance distópico, que se passa em um futuro não muito distante, na cidade de Chicago. A sociedade foi dividida em cinco facções: Abnegação, Audácia, Erudição, Franqueza e Amizade. Todos os cidadãos, convivem com sua família e são educados na facção de origem até completarem 16 anos. Nessa idade, todos devem passar por um processo de escolha. Primeiramente, realizam um teste de aptidão para descobrirem com qual facção cada um mais se identifica. Porém, independentemente do resultado do teste, o indivíduo tem o poder de escolher para qual facção ele deseja se unir. Após a escolha, não há possibilidade de voltar atrás e ele deve passar o resto de sua vida na facção escolhida. Aqueles que não são capazes de escolher ou que não conseguem se adaptar ao lugar da escolha, são expulsos da sociedade e passam a viver miseravelmente em uma categoria social onde são chamados de “os sem-facção”.

A protagonista da história se chama Beatrice Prior e ela vem da facção Abnegação. É ela também a narradora, ou seja, o romance está em primeira pessoa, com narrador não onisciente, tudo o que acontece é sob o ponto de vista de Beatrice. A história começa quando ela, aos 16 anos, precisa passar pelo processo da escolha. Ao realizar o teste de aptidão, Beatrice descobre que não é uma garota normal. Ela é “divergente”. Uma pessoa divergente é aquela que possui fortes aptidões para mais de uma facção. Beatrice tem capacitações necessárias para escolher entre a Abnegação, a Erudição e a Audácia. Ser divergente naquela sociedade é algo muito perigoso, pois eles não podem ser controlados nem manipulados como aqueles cuja visão e capacitação estão voltadas para apenas uma qualidade. A instrutora do teste, Tori, da Audácia, aconselha Beatrice a se manter na Abnegação, assim correria menos riscos de ser descoberta pelos líderes da Erudição, que buscam exterminar os divergentes e controlar toda a sociedade, fazendo com que a Abnegação, que é a responsável pela governabilidade da cidade, fique desprestigiada e seja aniquilada.

No entanto, Beatrice sempre teve muitas dúvidas quanto à decisão que queria tomar, e sempre havia admirado o modo destemido e aventureiro dos integrantes da Audácia. Por isso, ela deixa a Abnegação, junta-se à facção da Audácia, e muda o nome para Tris. Todo o romance narra seu processo de iniciação, as dificuldades pelas quais passa e, acima de tudo, como ela começa a entender sua divergência, ao mesmo tempo em que precisa esconder essa característica de todos, já que sua vida corre perigo caso seja descoberta. Para isso, ela conta com a ajuda de Quatro (Tobias), um personagem que, devido à proximidade com Tris, ganha uma importância quase protagônica na história. Ele é o instrutor dos iniciandos, tem 18 anos, ou seja, passou pelo processo de iniciação dois anos atrás.

Bem, não vou me alongar falando do enredo, não é este o objetivo. Decidi escrever a respeito de Divergente pelos motivos que mencionei no início deste texto. Conforme havia dito, não se trata de uma obra cristã e os paralelos teológicos não são tão evidentes como, por exemplo, em As Crônicas de Nárnia ou na Trilogia Cósmica, do C. S. Lewis (Aliás, no que diz respeito à qualidade literária, a obra de Lewis é muito mais inteligente). No entanto, não parece mesmo ter sido essa a intenção da autora. O que Veronica Roth fez foi simplesmente criar uma história a partir de sua própria cosmovisão. Ela é declaradamente cristã, foi convertida no período da faculdade, mesma época em que escreveu a trilogia.

Uma das coisas que mais me chamou a atenção foi a maneira como a obra define o ser humano: mau, sem exceção. O homem sempre está inclinado para fazer o mal. No discurso da cerimônia de escolha de Beatrice, Marcus explica por que, muitos anos antes, a sociedade decidiu se dividir em facções: “Eles concluíram (…) que a culpa estava na personalidade humana, na inclinação humana para o mal, seja qual for a sua forma.” (p. 48). Em outra ocasião, Tris reflete a respeito de um ensinamento de seu pai: “A razão humana é capaz de justificar qualquer mal; é por isso que não devemos depender dela.” (p. 111). A mãe de Tris também menciona o problema em outro momento: “Os seres humanos, de uma maneira geral, não conseguem ser bons por muito tempo antes que o mal penetre novamente entre nós e nos envenene.” (p. 454).

Este pensamento é totalmente bíblico. Em Romanos 3.10-12 Paulo, fazendo referência a Salmos 14.2,3 afirma que “não há um justo, nem um sequer. Não há ninguém que entenda; Não há ninguém que busque a Deus. Todos se extraviaram, e juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem um só.” O cristianismo ensina que todo homem nasce inclinado para o mal. Se depender de sua própria vontade, ninguém jamais escolhe buscar a Deus, por isso está perdido. O homem tenta de todas as formas resolver os problemas sociais, morais, éticos, políticos etc., valendo-se de sua própria inteligência e luta militantemente para defender seus ideais. Contudo, de acordo com o pensamento cristão, por mais alto que pareça esse ideal e por mais que a pessoa se esforce por atingi-lo, o mal natural que está dentro de nós jamais permitirá que algo se mantenha bom por muito tempo e nada pode ser realmente bom se Deus não está presente. Esta é a base do romance. Os homens tentaram resolver o problema da desordem social criando as facções, inicialmente talvez tivesse funcionado, mas no momento em que a história se passa entendemos que o sistema está entrando em declínio e que o homem não deixou de ser mau, como a própria Tris falou, “quando nos livramos de uma coisa ruim, outra a substitui” (p. 418).

No final de Insurgente e começo de Convergente entendemos melhor o que realmente está acontecendo nessa sociedade de facções. Na verdade, somente a cidade de Chicago vive sob esse sistema. Ao perceber que o problema era intrínseco ao homem, os líderes sociais decidiram realizar um teste, cercando a cidade e colocando ali dentro pessoas desmemoriadas, isto é, que tomaram o “soro da memória” e se esqueceram de toda a vida que haviam levado até então. Seriam observados do lado de fora, pois a ideia era que, se a pessoa se esquecesse de seu passado pecaminoso e violento, poderia começar de novo sem pecar. Obviamente, o resultado não foi esse. Às vezes, pensamos no quanto é injusto pagarmos pelo pecado de Adão e Eva, como se, apenas por culpa deles somos também pecadores. Mas creio que, se a história começasse toda outra vez e eu fosse colocada ali no lugar de Eva, teria agido da mesma forma ou pior. O ser humano é mau. Ele sempre escolhe o mal.

Curiosamente estou trabalhando na revisão de uma obra que discute os efeitos do calvinismo, especialmente na política, a partir do século 16 (há um capítulo dedicado também aos antecedentes da Reforma). Não posso passar a referência em português porque o livro ainda não foi publicado, mas deixarei o link aqui assim que isso acontecer. O autor se chama David W. Hall e o livro em inglês se chama Calvin in the Public Square. Há um capítulo em que ele mostra como o pensamento calvinista influenciou na filosofia política estadunidense no momento de sua colonização/fundação. Um dos pontos fundamentais da filosofia daquele momento era o de que, por mais inteligente que possa ser o homem, ele jamais será capaz de criar um sistema social perfeito, por conta de seu pecado. Consequentemente, qualquer sistema político ou social está fadado ao fracasso. A partir daí, justificava-se a necessidade de o governante se submeter à vontade divina, pois somente Deus é capaz de criar e conduzir um governo perfeito e imaculado. Os Estados Unidos, no período de sua fundação, levaram esse pensamento muito a sério. Mas, devido à natureza caída do homem e também após o Iluminismo surgir com suas ideias antropocêntricas, fazendo-nos crer na mentira de que, sim, há algo bom dentro de nós, nossa tendência é ignorar a Deus e sua vontade que é boa, perfeita e agradável. Na verdade, com ou sem Iluminismo, antes ou depois dele, o homem sempre acreditou ser capaz de alcançar coisas boas por seus próprios méritos, com sua própria bondade e defendendo seu sistema político favorito.

Outra coisa que me chamou muito a atenção foi a característica de um divergente. Uma vez que possui qualidades suficientes para se identificar com mais de uma facção, ele se torna mais difícil de ser controlado. Ele é capaz de ser corajoso (Audácia), altruísta (Abnegação), inteligente (Erudição), honesto (Franqueza) e amável (Amizade). Ora, estas são as características esperadas de um cristão, não que o cristão possua todas elas, mas deve buscá-las e, em Jesus, é capaz de alcançá-las. Jesus Cristo possui todas essas qualidades, por isso ele é o Divergente Supremo. Além disso, o romance apresenta o divergente como pessoas tementes a Deus e oriundas principalmente da facção Abnegação. Na parede do quarto de Quatro está escrito “Tão somente temei ao Senhor” (p. 296). Jeanine, uma das líderes da Erudição e a responsável por comandar o aniquilamento da Abnegação, confessa: “Uma questão que me preocupa (…) é a seguinte: Por que será que a maioria dos divergentes são pessoas de vontade fraca, insignificantes e tementes a Deus e, de todas as facções possíveis, geralmente originárias logo da Abnegação?” (p. 442).

O divergente não é um ser humano bom em contraste com seres humanos maus. Eles são igualmente maus que, inexplicavelmente, receberam essa capacidade rara. No livro Insurgente, quando Peter acusa Tris de ser tão má quanto ele, ela responde: “Talvez nós dois sejamos maus, mas há uma diferença enorme entre nós. Eu não me contento em ser assim.” (p. 342). Da mesma forma, o cristão não é alguém bom. Ele nasceu inclinado para o mal, escolhendo o mal, como todas as pessoas. A grande diferença é que, inexplicavelmente, o cristão recebe de Deus o dom de crer nele e escolher buscá-lo. Ou seja, o cristão só escolhe buscar a Deus porque foi escolhido antes. O cristianismo chama isso de graça irresistível, imerecida. Em 1João 4.19 lemos que só somos capazes de amar a Deus porque Ele nos amou primeiro, e não o contrário.

Tris descobre que possui essa qualidade de ser divergente. Ela não escolheu ser assim, bem como os outros divergentes da história também não escolheram. Ao contrário, eles foram escolhidos. Marcus, o pai de Quatro e um dos líderes da Abnegação, que também é divergente, disse a Tris: “Nós não somos daqui. Fomos colocados aqui para atingir um objetivo específico” (p. 405, de Insurgente). Em Insurgente, quando está prestes a ser executada pela vilã Jeanine, Tris finalmente começa a entender o que significa sua divergência. A primeira conclusão à qual ela chega é a de que o que lhe espera além da vida não é algo que dependa dela própria, nem de seus atos bons ou maus:

 

“Acho que agora seria a hora de pedir perdão por todas as coisas que fiz, mas sei que minha lista nunca estaria completa. Também não acredito que o que quer que aconteça depois da vida dependa de uma listagem correta das minhas transgressões. (…) Na verdade, não acredito que o que vem depois dependa de maneira alguma dos meus atos.” (p. 372).

 

Após conseguir fugir da morte com a ajuda da pessoa mais improvável (Peter), Tris se alia a Marcus para tentar salvar uma informação que poderá mudar todo o destino daquela sociedade falida, que estava sob a ameaça de ser tomada pelos sem-facção. Para isso, eles vão até a sede da Amizade buscar ajuda. Pela manhã, enquanto caminhava, Tris observou um ritual religioso e foi convidada a se unir ao grupo. Uma senhora segurou suas mãos, a olhou bem nos olhos e disse: “Que a paz de Deus esteja com você (…), mesmo em meio a dificuldades”. Tris lhe respondeu: “Por que ela estaria, depois de tudo o que fiz?”. E a mulher respondeu: “A questão não é você. É uma dádiva. Você não pode merecê-la, ou ela deixará de ser uma dádiva”. (p. 429). A graça de Deus, por meio de Jesus Cristo é exatamente isso! Uma dádiva que nós estamos longe de merecer. A questão não somos nós. Se coubesse a nós a escolha pela salvação, estaríamos todos perdidos. “Ao SENHOR pertence a salvação” (Jn 2.9).

Ainda não li Convergente, apenas o spoiler, mas o que posso dizer pelo que descobri é que Tris passa a entender tanto a sua função como divergente, que a usa em favor de seu irmão Caleb, um traidor, que não merecia sua misericórdia, e ela chega ao ponto de se sacrificar por ele.

Enfim, existem muitos outros paralelos a respeito dos quais eu poderia refletir aqui, mas o texto acabou ficando bem maior do que imaginei, então, se você deseja saber mais e levantar outra lista mencionando situações que você observou e que eu não coloquei aqui, leia o livro. É uma leitura empolgante, você não consegue parar de ler e dá dó quando você tem outras coisas para fazer e precisa fechá-lo. Ele tem os seus problemas, realmente não é uma boa literatura, no sentido técnico. Mas releve esses problemas e a experiência dessa leitura será maravilhosa como foi para mim!

Mariana Ferreira de Toledo

 

Obs.: Após publicar uma primeira versão deste artigo, acabei encontrando um texto do pastor Josemar Bessa a respeito da mesma trilogia e tratando da questão da depravação total do homem. Por isso me inspirei em seu texto e, entre outros motivos (por exemplo, a recente leitura de Insurgente), decidi reescrever meu texto. A quem interessar, deixo aqui o link do artigo do pr. Josemar: http://www.josemarbessa.com/2017/04/calvino-divergente-e-cristo-o-retrato.html .